Indústrias Tecnologias da Informação e Electrónicas

  • 24 Respostas
  • 4895 Visualizações
*

Lusitano89

  • Investigador
  • *****
  • 8252
  • Recebeu: 272 vez(es)
  • Enviou: 194 vez(es)
  • +15/-3
Re: Indústrias Tecnologias da Informação e Electrónicas
« Responder #15 em: Dezembro 02, 2016, 12:23:56 pm »
Bosch assina protocolo com Universidade de Aveiro e cria 150 empregos


A Bosch assina hoje um protocolo com a Universidade de Aveiro para o desenvolvimento de soluções para casas inteligentes, num investimento de 19 milhões de euros, estando prevista a criação de cerca de 150 postos de trabalho.


"Vamos assinar um protocolo, um projeto consórcio com a Universidade de Aveiro para constituir uma equipa Bosch/Universidade de Aveiro dedicada ao desenvolvimento de soluções de software e conectividade para a casa inteligente", explicou à Lusa o vice-presidente sénior de engenharia de produto da Bosch Termotecnologia em Aveiro, Sérgio Salústio.

"O investimento é cerca de 19 milhões de euros, mais ou menos repartidos em 10 milhões de euros na Bosch e quase nove milhões na universidade, que visa essencialmente a criação de equipas de competências, investigadores altamente qualificados, e a criação de algumas infraestruturas da área de negócio de produtos inteligentes para casas inteligentes", acrescentou.

Este protocolo vai permitir criar cerca de 150 postos de trabalho, dos quais 70 novos empregos na Bosch, 40 já foram contratados em meados deste ano, e do lado da universidade está prevista a contratação de 72 novos investigadores, disse.

"Num universo de 300 investigadores que vão estar envolvidos [no projeto], metade são novos", sublinhou Sérgio Salústio.

Também hoje, a Bosch vai inaugurar formalmente o novo centro de competências para o desenvolvimento de software e soluções de conetividade mundial, um investimento de cinco milhões de euros que corresponde ao novo edifício e equipamento de laboratório.

"O que estamos aqui a investigar vai ser aplicado no mundo inteiro, não só em Portugal", salientou.

Relativamente ao protocolo, o responsável adiantou que este é feito no âmbito do Portugal 2020 e "pressupõe a instalação de equipas mistas" da Bosch e da Universidade de Aveiro e a criação de algumas infraestruturas.

Com duração de quatro anos, já que a Bosch pretende "estabelecer uma parceria de longo prazo" com a Universidade de Aveiro, este protocolo permite à multinacional alemã considerar a "formação de novos recursos humanos", sendo que alguns deles deverão transitar para a empresa "numa fase posterior" ao projeto e "estabelecer bases para uma cooperação que se pretende que vá mais longe".

Para Sérgio Salústio, é importante envolver a comunidade académica e científica neste tipo de projetos.

"É o grande foco: aproximar as universidades das empresas de modo mais efetivo por um tempo que permite cimentar essas relações", sublinhou.

No fundo, este projeto pretende desenvolver e construir dispositivos eletrónicos que sejam integrados em esquentadores ou caldeiras de climatização e que permitam aos consumidores interagir com os mesmos, permitindo controlá-los de uma forma mais eficiente.

Com esta relação com a universidade, a Bosch espera que antes do fim do projeto já seja possível ver os primeiros benefícios das soluções em desenvolvimento.

O ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral, vai estar presente na assinatura do contrato de investimento do projeto de inovação Smart Green Homes.


>>>>  http://24.sapo.pt/economia/artigos/bosch-assina-protocolo-com-universidade-de-aveiro-e-cria-150-empregos#_swa_cname=bloco24&_swa_csource=sapo.pt&_swa_cmedium=web
 

*

Menacho

  • Investigador
  • *****
  • 2819
  • Recebeu: 300 vez(es)
  • Enviou: 60 vez(es)
  • +5/-50
Re: Indústrias Tecnologias da Informação e Electrónicas
« Responder #16 em: Setembro 12, 2017, 06:49:54 pm »
El misterio de la mayor empresa de Portugal que no tiene empleados

Yupido, una sociedad con 29.000 millones de capital social que no hace nada pero anuncia servicios para miles de millones de personas

Citar
De no ser por un ratón de biblioteca de la universidad del Miño nada se sabría de Yupido. En realidad solo se sabe que es una empresa radicada en Lisboa y que tiene un capital social de 29.000 millones de euros, el 15% del PIB de Portugal; la empresa más capitalizada del país.



El ratón de biblioteca es un profesor universitario que prefiere no dar su nombre. Realizaba una investigación sobre la productividad de las empresas con la base de datos de Amadeus cuando una destacó sobre todas, Yupido, una sociedad con 243 millones y ningún empleado, eso sí que era extraordinario. El profesor siguió buscando en bancos de datos públicos y en redes sociales y lo que descubrió, aún fue más espectacular. Yupido acababa de ampliar capital de los originales 243 millones a 29.000 millones de euros. Pero el ratón de biblioteca aún no ha conseguido saber qué hace esta empresa, aunque parece que, de momento, no hace nada.

MÁS INFORMACIÓN
El misterio de la mayor empresa de Portugal que no tiene empleados Amnistía australiana de armas ilegales: cada día se entregan 500
El misterio de la mayor empresa de Portugal que no tiene empleados Republicana e inteligente, blanca y tradicional
Yupido existe desde hace dos años. Tiene la sede en una torre de oficinas de la capital portuguesa donde nadie responde; también tiene una página web donde se expone toda la cháchara común a las empresas dedicadas a las tecnologías de la información: “La misión de Yupido es dar a nuestro clientes la infraestructura y apoyo que necesitan para operar con menos costes y mayor eficiencia”.


Hay dos socios principales, Cláudia Sofía Pereira (69% del capital) y Torcato Caridade da Silva (30%) más Filipe Besugo (1%) y un comité ejecutivo de diez personas presidido por un consejero delegado y un director de ventas aunque, de momento, no ha vendido nada. También anuncia la contratación de personas "alegres y motivadas" para crear grandes servicios “que serán usados por miles de millones de personas de todo el mundo”.

Todo, salvo lo que hacen, está claro en los registros oficiales. Hay un balance anual público, donde dice que se perdieron 21.000 euros el pasado año, dos auditores y el informe de un reputado revisor externo de cuentas, clave para valorar esa ampliación de capital, pues no se movió dinero sino que fue en bienes en especies. Ese revisor rubricó que lo que le enseñaron valía 29.000 millones aunque, aclara en el escrito, “el valor real puede ser mayor”. El revisor no explica cómo llegó a la conclusión del valor económico de esos bienes en especies.

En declaraciones al Observador, el revisor de cuentas señala que los socios le enseñaron un televisor y que se quedó maravillado con lo que vio. Aunque reconoce que no sabe nada de tecnologías dice que le vino a la cabeza Steve Jobs, el genio fundador de Apple. Según el portavoz de la empresa, el próximo año el mundo ya empezará a disfrutar de sus milagrosos servicios, pero mientras, la Fiscalía del Estado, la Comisión del Mercado de Valores y el Colegio de Contables han abierto investigaciones.

https://elpais.com/internacional/2017/09/11/mundo_global/1505128281_305251.html


29.000 millones de euros y ni un empleado???????... :o :o :o :o :o :o :o :o
 

*

Viajante

  • Analista
  • ***
  • 883
  • Recebeu: 208 vez(es)
  • Enviou: 129 vez(es)
  • +25/-6
Re: Indústrias Tecnologias da Informação e Electrónicas
« Responder #17 em: Setembro 12, 2017, 11:18:34 pm »
El misterio de la mayor empresa de Portugal que no tiene empleados

Yupido, una sociedad con 29.000 millones de capital social que no hace nada pero anuncia servicios para miles de millones de personas

Citar
De no ser por un ratón de biblioteca de la universidad del Miño nada se sabría de Yupido. En realidad solo se sabe que es una empresa radicada en Lisboa y que tiene un capital social de 29.000 millones de euros, el 15% del PIB de Portugal; la empresa más capitalizada del país.



El ratón de biblioteca es un profesor universitario que prefiere no dar su nombre. Realizaba una investigación sobre la productividad de las empresas con la base de datos de Amadeus cuando una destacó sobre todas, Yupido, una sociedad con 243 millones y ningún empleado, eso sí que era extraordinario. El profesor siguió buscando en bancos de datos públicos y en redes sociales y lo que descubrió, aún fue más espectacular. Yupido acababa de ampliar capital de los originales 243 millones a 29.000 millones de euros. Pero el ratón de biblioteca aún no ha conseguido saber qué hace esta empresa, aunque parece que, de momento, no hace nada.

MÁS INFORMACIÓN
El misterio de la mayor empresa de Portugal que no tiene empleados Amnistía australiana de armas ilegales: cada día se entregan 500
El misterio de la mayor empresa de Portugal que no tiene empleados Republicana e inteligente, blanca y tradicional
Yupido existe desde hace dos años. Tiene la sede en una torre de oficinas de la capital portuguesa donde nadie responde; también tiene una página web donde se expone toda la cháchara común a las empresas dedicadas a las tecnologías de la información: “La misión de Yupido es dar a nuestro clientes la infraestructura y apoyo que necesitan para operar con menos costes y mayor eficiencia”.


Hay dos socios principales, Cláudia Sofía Pereira (69% del capital) y Torcato Caridade da Silva (30%) más Filipe Besugo (1%) y un comité ejecutivo de diez personas presidido por un consejero delegado y un director de ventas aunque, de momento, no ha vendido nada. También anuncia la contratación de personas "alegres y motivadas" para crear grandes servicios “que serán usados por miles de millones de personas de todo el mundo”.

Todo, salvo lo que hacen, está claro en los registros oficiales. Hay un balance anual público, donde dice que se perdieron 21.000 euros el pasado año, dos auditores y el informe de un reputado revisor externo de cuentas, clave para valorar esa ampliación de capital, pues no se movió dinero sino que fue en bienes en especies. Ese revisor rubricó que lo que le enseñaron valía 29.000 millones aunque, aclara en el escrito, “el valor real puede ser mayor”. El revisor no explica cómo llegó a la conclusión del valor económico de esos bienes en especies.

En declaraciones al Observador, el revisor de cuentas señala que los socios le enseñaron un televisor y que se quedó maravillado con lo que vio. Aunque reconoce que no sabe nada de tecnologías dice que le vino a la cabeza Steve Jobs, el genio fundador de Apple. Según el portavoz de la empresa, el próximo año el mundo ya empezará a disfrutar de sus milagrosos servicios, pero mientras, la Fiscalía del Estado, la Comisión del Mercado de Valores y el Colegio de Contables han abierto investigaciones.

https://elpais.com/internacional/2017/09/11/mundo_global/1505128281_305251.html


29.000 millones de euros y ni un empleado???????... :o :o :o :o :o :o :o :o

Eu já tinha referido isso mesmo aqui: http://www.forumdefesa.com/forum/index.php?topic=5593.600

A anormalidade não é uma empresa com um capital enorme e não ter empregados, quase todas as offshores estão nestas situações, mesmo as empresas espanholas, que nós chamamos SGPS ou empresas mãe.

A anormalidade surge porque a empresa tem um capital gigantesco atribuído a activos intangíveis (que não existem fisicamente e normalmente correspondem a direitos de autor, valor de uma marca, valor de uma patente, etc) e ainda por cima esses valores anormais, que são o somatório das maiores empresas portuguesas até aí (Galp + EDP), foram validados por um Revisor Oficial de Contas (em Portugal e na generalidade dos países, para haver um aumento de capital em espécie, que é o caso, tem de ser validade por um ROC)!!!!!!! Só vejo que seja possível pela proveta idade do ROC, com 87 anos...........
 

*

Get_It

  • Investigador
  • *****
  • 1688
  • Recebeu: 176 vez(es)
  • Enviou: 395 vez(es)
  • +7/-1
Re: Indústrias Tecnologias da Informação e Electrónicas
« Responder #18 em: Setembro 17, 2017, 12:55:55 pm »
Viajante, esta novela ainda tem muito a dar. ;D

Accionistas da Yupido obrigados a declarar os 29 mil milhões no IRS
(16 de Setembro de 2017)
Citação de: Ana Pimentel / Observador
Os fundadores da Yupido entregaram um software e uma plataforma digital à empresa que constituíram, em troca de acções sobre o capital social. Quando o fizeram, transmitiram à sociedade um bem que é tributável em sede de IRS. Ou seja, eram obrigados a incluir estes rendimentos na declaração de impostos que entregaram em 2016 (depois de em 2015 terem entregue um «software de gestão avaliado em 243 milhões) e na que entregaram em 2017 (depois do aumento de capital de cerca de 28,5 mil milhões de euros).

Os fiscalistas contactados pelo Observador explicam que os rendimentos que estes accionistas obtiveram são tributados quer a tecnologia tenha sido desenvolvida por eles, quer tenha sido adquirida a outras pessoas. O código do IRS é claro, só mudam as percentagens:
- Quando alguém contribui com um bem para a realização do capital social de uma empresa existe uma transmissão jurídica. Se este bem se insere na categoria de propriedade intelectual ou industrial — como é o caso do software e da plataforma digital — pode ser taxado até 56% da avaliação que foi feita ao bem, caso os accionistas sejam os criadores da tecnologia. Se a tiverem adquirido a outras pessoas, são tributados em 28%.

A explicação vem de Ricardo da Palma Borges, advogado especialista em Direito Fiscal e sócio administrador da Ricardo da Palma Borges & Associados.
Citar
O IRS não tributa todos os rendimentos das pessoas. As mais-valias obtidas através da venda de património particular, como as coisas que vendemos no OLX, não são tributáveis. Mas aquelas pessoas tiveram de desenvolver um software que depois transmitiram à empresa. Esta venda de software é considerada um rendimento da propriedade intelectual», afirmou ao Observador.

A partir daqui, há duas hipóteses: quem vendeu a tecnologia foram os seus criadores ou foi adquirida a terceiros. Aqui, os 28% vão recair sobre a mais-valia que os accionistas obtiveram com a venda (diferença entre o valor que deram por ela e aquele que mais tarde venderam à Yupido). «Estas pessoas arriscam-se a ser tributadas em valores milionários pela contribuição que declararam efectuar a favor da sociedade», explicou Ricardo Borges.

O Observador questionou os fundadores da empresa, através do porta-voz Francisco Mendes, para apurar se tinham declarado estes valores ao Fisco, mas até à data a que este artigo foi publicado não obteve resposta.

Só há uma pessoa que pode não ter sido obrigada a incluir estes rendimentos na declaração entregue em maio de 2017 às Finanças: Cláudia Alves, a sócia marioritária da Yupido, que detém 69% do capital social. Ricardo Borges explica que nos casos em que um dos accionistas tem mais de 50% do capital social pode optar por diferir a tributação para o dia em que vender as suas acções. No caso de Torcato Jorge e de Filipe Besugo (os outros dois accionistas da empresa), esta excepção não se aplica.

Carla Matos, advogada especialista em Direito Fiscal da CCA Ontier, confirma: «No caso de haver um sócio com pelo menos 50% do capital social, é possível accionar um regime de suspensão da tributação, desde que cumpridas determinadas condições (como os elementos activos e passivos que foram objecto da transmissão estarem em conta com os valores a que foram registados na contabilidade ou nos livros de escrita da pessoa singular)».

Carla Matos concorda com o colega: a «plataforma digital inovadora de armazenamento, protecção, distribuição e divulgação de todo o tipo de conteúdo media» — que se destaca «pelos algoritmos que a constituem» — é um bem intangível que se insere na categoria da propriedade intelectual. E, assim sendo, nem sequer era preciso que este bem tivesse sido patenteado para ser tributável.

Em Julho de 2015, o revisor oficial de contas (ROC) Alves da Silva avaliou o bem intangível que Cláudia Alves e Torcato Jorge entregaram à empresa por 243 milhões de euros. Tratava-se de um »software de gestão para empresas, que funciona em multi-plataforma e é disponibilizado como um serviço SaaS», dos quais eram titulares. Ela ficou com 70,86% do capital accionista e ele com 29,13%.

Nesta altura, houve também dinheiro envolvido: Cláudia Alves entrou com 10 mil euros para a constituição da empresa, Torcato Jorge com outros 10 mil e Filipe Besugo com 15 mil euros.

Seis meses depois, o mesmo ROC avaliou a «plataforma digital inovadora», que os fundadores entregaram para efectuar um aumento de capital, por 28,8 mil milhões de euros. Aqui, já eram os três titulares do bem: Cláudia Alves manteve-se como sócia maioritária, com 69% do capital social, Torcato Jorge fica com 30% e Filipe Besugo com 1%.

Ao Eco, Francisco Mendes, disse que a tecnologia já tinha passado da fase de protótipo e que a plataforma já estava praticamente a funcionar, garantindo que não fazem parte das duas marcas que foram registadas pela mesma empresa (a Quaquado e a Kuaboca), porque estas serviriam para o lançamento de outros serviços. Francisco Mendes disse ainda que a empresa estava a trabalhar no desenvolvimento de 42 patentes.

Contudo, ao Jornal Económico, Torcato Jorge afirmou que o primeiro serviço a ser comercializado está sob a marca Quaquado e que vai ser lançado a nível mundial em 2018, ficando disponível para qualquer pessoa, em qualquer parte do mundo. «O objectivo do serviço é dar apoio aos empreendedores a criar novas empresas e a gerir as suas empresas», afirmou. Depois, acrescentou que há outro serviço em preparação, que usará a marca Kuaboca, e que a base para estes serviços é a tal «plataforma digital inovadora».

O Observador tinha uma entrevista com os fundadores da Yupido, mas foi cancelada pelo porta-voz da empresa. A avaliação que permitiu à Yupido fazer o maior aumento de capital de que há memória em Portugal está a ser alvo de averiguações por parte do supervisor do mercado e da Ordem dos revisores de contas. Mas o porta-voz da empresa disse ao Eco que está tudo legal e que já se mostraram disponíveis para colaborar com a Polícia Judiciária, que está a analisar o caso, segundo o Expresso.
Fonte: http://observador.pt/2017/09/16/acionistas-da-yupido-obrigados-a-declarar-os-29-mil-milhoes-no-irs/

Cumprimentos,
:snip: :snip: :Tanque:
 

*

Viajante

  • Analista
  • ***
  • 883
  • Recebeu: 208 vez(es)
  • Enviou: 129 vez(es)
  • +25/-6
Re: Indústrias Tecnologias da Informação e Electrónicas
« Responder #19 em: Setembro 20, 2017, 02:49:27 pm »
Boas Get_it

Não sei se é assim tão linear. Acho que está em piores lençóis o ROC que avaliou os 2 aumentos de capital, com base em intangíveis difíceis de quantificar e com valores astronómicos! Custa-me a crer que um ROC tenha engolido os aumentos (o que avaliou os aumentos) e depois o ROC da empresa só agora se coloca ao fresco!?

Imaginamos este caso, eu digo que a minha empresa tem uma ideia que vai valer 10 mil milhões de euros (normalmente um empresário é um sonhador, às vezes visionário, e normalmente optimista), mas a verdade é que um ROC avaliou um programa informático em 243 milhões de euros e posteriormente as ideias dos fundadores em 29 mil milhões de euros!!!! Em primeiro lugar é responsabilidade do ROC que chega a esse valor! Quando agora forem investigar a Yupido, em primeiro lugar não podem iniciar a investigação com a ideia adquirida de que de facto a empresa vale isso, têem de ir provar no terreno e desconfio que ninguém vai chegar a esse valor!!!!!

O nosso ROC aqui na instituição para aceitar qualquer receita, empréstimos, etc, exige documentos externos que comprovem todos os valores......... faz-me impressão que 1 ROC tenha aceite esses 2 aumentos assim sem mais nem menos......

Será que teve uns honorários chorudos para esse aumento. Há lavagem de dinheiro na empresa? Ou vamos acreditar na ideia mais cândida de que de facto os sócios da yupido são uns sonhadores incorrigíveis? (de facto conheço alguns empresários assim, mas estes exageram). Será que alguém enganou-se a colocar zeros no aumento de capital? :).......vamos aguardar os próximos episódios!
 

*

Lusitano89

  • Investigador
  • *****
  • 8252
  • Recebeu: 272 vez(es)
  • Enviou: 194 vez(es)
  • +15/-3
Re: Indústrias Tecnologias da Informação e Electrónicas
« Responder #20 em: Janeiro 27, 2018, 11:25:29 am »
Marcelo quer investimentos da área tecnológica no interior do país


O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, fez hoje votos de que apareçam no interior do país investimentos da área tecnológica como os da Google ou da Amazon.

No final da sessão de abertura do XVI congresso da Associação Nacional de Freguesias (Anafre), que decorre em Viseu, Marcelo Rebelo de Sousa foi questionado pelos jornalistas sobre o investimento da Google em Oeiras e a possibilidade de investimento da Amazon no Porto.

“Têm sido notícias muito boas as que têm chegado”, respondeu.

No que respeita ao interior do país, exemplificou que ainda hoje o presidente da Câmara de Viseu, Almeida Henriques, lhe falou de “um grande investimento para Viseu também nesse domínio, da nova onda tecnológica, o que quer dizer que não é só Lisboa e Porto”.

“Pelo menos hoje tive essa notícia em Viseu. Mas era preciso que houvesse mais notícias também no chamado interior”, frisou.

Ao discursar na sessão de abertura do congresso da Anafre, Almeida Henriques tinha pedido ajuda ao Presidente da República para resolver a situação do Itinerário Principal (IP) 3, considerando ser “uma atitude criminosa” mantê-lo como está.

Em declarações aos jornalistas, Marcelo Rebelo de Sousa mostrou-se otimista na resolução do problema, até porque há acordo entre Almeida Henriques e o presidente da Câmara de Coimbra e da Associação Nacional dos Municípios Portugueses (ANMP), Manuel Machado.

“Eu descobri logo ali (na sessão de abertura), até pela reação favorável do secretário de Estado (das Autarquias Locais), que não iria haver problema e que isso mais dia menos dia ia ser encarado”, afirmou.

O XVI Congresso da Anafre, que se realiza em Viseu, entre hoje e domingo, vai eleger os órgãos para o mandato de 2017-2021 e debater temas como a descentralização de competências para as autarquias, a revisão da Lei das Finanças Locais, a reorganização territorial das freguesias e o estatuto do eleito local.


>>>>>>  http://24.sapo.pt/atualidade/artigos/marcelo-quer-investimentos-da-area-tecnologica-no-interior-do-pais
 

*

Lusitano89

  • Investigador
  • *****
  • 8252
  • Recebeu: 272 vez(es)
  • Enviou: 194 vez(es)
  • +15/-3
Re: Indústrias Tecnologias da Informação e Electrónicas
« Responder #21 em: Fevereiro 06, 2018, 08:43:42 pm »
'Data Center' da Covilhã mapeado para armazenar dados de radiotelescópio gigante


O ‘Data Center’ da Altice na Covilhã está mapeado para poder armazenar dados produzidos pelo maior radiotelescópio de sempre, que produzirá a nível mundial mais informação por segundo do que toda a internet, disse hoje o coordenador do consórcio português.

"O ‘Data Center’ [da Covilhã] está mapeado nas infraestruturas digitais que vão servir o projeto e portanto a forma como este ‘Data Center’ e a rede nacional de dados académicos se vão entroncar é um processo que vai agora decorrer, podendo demorar cerca dois anos até termos o mapa detalhado das atividades", referiu Domingos Barbosa, coordenador do consórcio que em Portugal participa no projeto Square Kilometer Array (SKA).

Este responsável falava à margem da iniciativa "Dias do SKA PT", que arrancou na Covilhã, distrito de Castelo Branco, com o objetivo de promover este projeto que visa criar uma infraestrutura científica que, através da recolha de ondas rádio, permitirá estudar as origens do Universo, sinalizar buracos negros e procurar civilizações fora da Terra.

O projeto, que também quer levar a energia elétrica e a internet a milhões de pessoas em África, produzirá dados digitais na África do Sul e Austrália que serão depois exportados e armazenados na Europa, sendo que a fatia que pode caber a Portugal é de 1%, valor que, ainda assim, é bastante significativo.

"A nível da Europa estamos a falar de cerca de 300 'peta bytes', o que é qualquer coisa como três vezes a Google. Portanto, 1% disso dá metade de um ‘Data Center’", afirmou Domingos Barbosa.

Presente na cerimónia, Luís Alveirinho, da Altice Portugal, sublinhou que a empresa está "necessariamente" interessada neste projeto, salientando que este se "enquadra muito bem" no trabalho científico e de desenvolvimento de tecnologia que a Altice realiza em Portugal.

Este responsável assumiu ainda que espera que possa ser formalizado "dentro em breve" o acordo para que o ‘Data Center’ da Covilhã seja definido como a infraestrutura portuguesa de armazenamento de dados.

Referindo que o ‘Data Center’ da Covilhã está "de boa saúde" e que emprega atualmente cerca de 300 pessoas, Luís Alveirinho recusou especificar se o eventual acordo como SKA também poderá implicar a ampliação daquela infraestrutura, já que a empresa terá de saber concretamente o volume de dados que possa estar em causa e o respetivo caderno de encargos.

Na sessão de abertura, o presidente da Câmara da Covilhã, Vítor Pereira, referiu a "oportunidade muito grande" que este projeto pode representar para Portugal e para o concelho, nomeadamente para a Universidade da Beira Interior", para as empresas que laboram no setor das infraestruturas elétricas e de comunicações, bem como do domínio da informática e do tratamento de dados.

O autarca também frisou que "gostaria muito" que o armazenamento de dados em Portugal ficasse no ‘Data Center’ da Covilhã.

"Seria também uma forma de o aproveitar, de o dinamizar e de dar corpo àquilo para o qual foi construído e criado".

Num processo que é dirigido pelo Governo, Portugal também já apresentou a candidatura para ser um dos países fundadores do projeto, esperando-se que aprovação decorra ainda este ano.

A participação portuguesa no desenvolvimento do SKA é composta por um consórcio que junta o Instituto de Telecomunicações (IT-Aveiro), o Instituto Politécnico de Beja e as universidades de Aveiro, Porto e Évora, através da Infraestrutura ENGAGE SKA, pelo IT-Aveiro e pela Universidade de Aveiro.



>>>>>>   http://24.sapo.pt/tecnologia/artigos/data-center-da-covilha-mapeado-para-armazenar-dados-de-radiotelescopio-gigante
 

*

Lusitano89

  • Investigador
  • *****
  • 8252
  • Recebeu: 272 vez(es)
  • Enviou: 194 vez(es)
  • +15/-3
Re: Indústrias Tecnologias da Informação e Electrónicas
« Responder #22 em: Fevereiro 09, 2018, 08:05:07 pm »
Altice Portugal vai investir mais 4 milhões de euros no 'data center' da Covilhã


A Altice Portugal anunciou que vai investir mais quatro milhões de euros no seu 'data center' [centro de dados] da Covilhã para concretizar, entre outras ações, a migração de toda a infraestrutura de suporte ao portal SAPO.

A infraestrutura de suporte ao portal SAPO vai ser migrada "para aquele que é o maior centro de processamento de dados em Portugal, uma ação que envolve 671 servidores e um petabyte de armazenamento", refere a dona da Meo.

"A Altice Portugal, em alinhamento com os pilares de inovação e investimento, realizará ainda a evolução das infraestruturas existentes para suportar a estratégia de virtualização de funções de rede que está a implementar, através da criação de um ambiente virtual produtivo, distribuído em 'data center', envolvendo a Covilhã e Picoas", adianta.

"A construção do maior 'data center' hoje existente em Portugal centrou a atuação da Altice Portugal nas tecnologias de 'cloud' e 'big data'. Hoje, e em alinhamento com a sua expansão de negócio e estratégia tecnológica de 'cloud', a Altice Portugal irá introduzir neste processo tecnologia de ponta (VXLAN) e a abertura de um novo espaço IT no 'data center' na Covilhã", acrescenta.

Atualmente, o centro de dados da Altice na Covilhã tem mais de 300 colaboradores, "sendo que com este novo investimento estão criadas condições para gerar mais emprego qualificado e especializado no médio prazo", aponta.

A Altice Portugal sublinha que o 'data center' da Covilhã é "um dos dez maiores do mundo" e "é reconhecido internacionalmente e, ainda esta semana, por ocasião da apresentação do projeto SKA (Square Kilometer Array) na Covilhã, foi elencado como opção para armazenar e tratar parte do enorme volume de dados gerado pelas observações do maior radiotelescópio do mundo".

O investimento de mais quatro milhões de euros "vem juntar-se a tantos outros que têm sido feitos pela Altice Portugal no 'data center' na Covilhã e também na região, como é disso exemplo o investimento na infraestruturação de fibra ótica do Maciço Central da Serra da Estrela anunciado esta semana, ou a abertura do novo 'contact center' [centro de atendimento], também na Covilhã".

A empresa liderada por Alexandre Fonseca refere que "continuará este caminho de investir no território português como um todo, contribuindo para o desenvolvimento económico e social destas regiões com baixa densidade populacional, mitigando desigualdades territoriais".


>>>>>>  http://24.sapo.pt/tecnologia/artigos/altice-portugal-vai-investir-mais-4-milhoes-de-euros-no-data-center-da-covilha
 

*

Lusitano89

  • Investigador
  • *****
  • 8252
  • Recebeu: 272 vez(es)
  • Enviou: 194 vez(es)
  • +15/-3
Re: Indústrias Tecnologias da Informação e Electrónicas
« Responder #23 em: Fevereiro 12, 2018, 12:00:20 am »
Bairro inteligente e sustentável vai avançar em Matosinhos


Candeeiros que medem emissões de carbono. Pavimento que reduz a velocidade de circulação sem intervenção do condutor. Um sistema de partilha de bicicletas ligada ao sistema de transportes públicos. Contabilização em tempo real das emissões de CO2 poupadas com a mobilidade inteligente. Uma casa coberta de painéis solares que acompanham o movimento do sol e que armazena energia. Estas são algumas soluções tecnológicas que serão postas em prática no âmbito do projeto “Living Lab” de Matosinhos, cuja fase de implementação acaba de ser selecionada para financiamento pelo Ministério do Ambiente.

Desenvolvido em parceria pela Câmara Municipal de Matosinhos e pelo CEiiA, Centro de Engenharia e Desenvolvimento de Produto, o “Living Lab” pretende criar no centro da cidade de Matosinhos um bairro inteligente, de baixo carbono, resiliente, acessível, participado e conectado, onde serão testadas, demonstradas e postas em prática, em contexto real, soluções tecnológicas, organizacionais e sociais integradas e orientadas para a descarbonização da cidade. O projeto terá impacte em áreas como a mobilidade, a energia, o ambiente, o urbanismo e a conectividade.

A execução do projeto, correspondente à segunda fase do programa Laboratórios Vivos para a Descarbonização, será parcialmente financiada pelo Fundo Ambiental, tendo Matosinhos ficado classificado no terceiro lugar do concurso promovido pelo Ministério do Ambiente. O financiamento do Estado, de 500 mil euros, prevê um prazo de implementação e validação de soluções de até 1 ano. Porém, os parceiros do “Living Lab” concordaram em alargar a adoção destas soluções até 3 anos. A candidatura, refira-se, envolveu mais 18 parceiros, entre os quais se contam o Porto de Leixões, a Efacec, o Metro do Porto, a STCP e a Universidade do Porto.

Entre a tecnologia que será testada no bairro inteligente de Matosinhos, a criar na área entre a Rua de Goa e a Rua Conde Alto Mearim, conta-se o carregador rápido de veículo elétricos desenvolvido pela EFACEC, uma rede de cacifos eletrónicos para bicicletas, soluções de pagamento de estacionamento de suporte ao comércio local, informação em tempo real do tempo de espera dos transportes públicos, iluminação pública gerida por sensores ambientais, um pavimento gerador de energia, um robot aspirador de folhas, um sistema de inteligência artificial aplicada ao controlo e gestão de edifícios ou um sistema de recompensa pela poupança nas emissões de carbono. Está ainda prevista a eletrificação dos veículos da frota municipal e dos veículos de serviços regulados pelo município (transportes públicos, táxis, veículos de turismo).

Um dos elementos diferenciadores do “Living Lab” é a capacidade de monitorização e avaliação, em tempo real, das emissões de carbono e, portanto, dos impactos da atividade deste laboratório vivo na zona de intervenção e na cidade. Esta capacidade é dada pela parceria com a plataforma de gestão de mobilidade do CEiiA – o mobi.me.

O projeto tem como principais objetivos reduzir as emissões de carbono e a intensidade carbónica das atividades que se desenvolvem na cidade, diminuindo o consumo de energia e promovendo a mobilidade urbana sustentável. As tecnologias testadas no âmbito do Living Lab poderão, depois, ser alargadas ao restante espaço urbano. Os cidadãos serão envolvidos na criação e experimentação de tecnologias mais limpas e inteligentes, sendo ainda objetivo do projeto promover o empreendedorismo e a criação de negócios associados a soluções de baixo carbono.


>>>>>> http://boasnoticias.pt/bairro-inteligente-sustentavel-vai-avancar-matosinhos/
 

*

Lusitano89

  • Investigador
  • *****
  • 8252
  • Recebeu: 272 vez(es)
  • Enviou: 194 vez(es)
  • +15/-3
Re: Indústrias Tecnologias da Informação e Electrónicas
« Responder #24 em: Fevereiro 15, 2018, 06:50:03 pm »
António Costa quer nove em cada dez portugueses a navegar na Internet em 2030


O primeiro-ministro anunciou hoje três metas para Portugal para a próxima década, centradas na inovação e uma delas é ter em 2030 “nove em cada dez portugueses a usarem a Internet”.

“Nós interrompemos a convergência com a União Europeia no ano 2000, retomámo-la este ano e queremos que este ano seja o primeiro de uma década de convergência sustentada da União Europeia e, por isso, na estratégia que temos definida para Portugal pós-2020 fixámos três metas muito ambiciosas, centradas na inovação”, declarou António Costa na sessão de encerramento da apresentação do Roteiro Inovação, em Matosinhos (Porto).

“Aumentar as competências digitais na sociedade portuguesa e ter em 2030 nove em cada dez portugueses a serem utilizadores da Internet” é uma das metas, disse o primeiro-ministro.

Aumentar a intensidade de investimento na inovação e desenvolvimento é outra ambição, onde Costa disse que até 2030 quer conseguir investir “3% do Produto Interno Bruto (PIB) em investigação e desenvolvimento, um terço com fundos públicos e dois terços com mobilização de investimento privado”.

A qualificação dos recursos humanos, que o primeiro-ministro considerou ser “o maior défice que o país tem”, é outro objetivo traçado em que o Governo tem de “continuar a trabalhar para reduzir”, admitiu.

António Costa disse que quer chegar a 2030 com os jovens na casa dos 20 anos a terem alcançado uma participação no Ensino Superior nos 60%, sendo que hoje rondam os 40%.

O primeiro-ministro congratulou-se hoje com o lançamento do Roteiro da Inovação e do 'Go Portugal', lembrando que o ano de 2017 deixou “uma pesada responsabilidade”.

"Foi o ano onde saímos do procedimento de défice excessivo, onde começámos a reduzir a nossa dívida pública, onde tivemos o maior crescimento económico desde o princípio do século, foi o terceiro país da EU que mais criou emprego. Isto é uma enorme responsabilidade para este novo ano de 2018 e para os anos seguintes”, declarou, reiterando que tem consciência de que para tornar “sustentável e duradouro” o ano de “viragem” da economia portuguesa é fundamental assumir “a inovação como o grande motor do desenvolvimento”.

Para António Costa as três metas são “condições absolutamente essenciais" para que a inovação seja "o centro da vida” e “seja efetivamente o motor” da estratégia de desenvolvimento.


>>>>>>>>  http://24.sapo.pt/tecnologia/artigos/antonio-costa-quer-nove-em-cada-dez-portugueses-a-navegar-na-internet-em-2030

 

 

Requisitos Legais para Indústrias de Defesa

Iniciado por SanossQuadro Indústrias de Defesa

Respostas: 3
Visualizações: 1268
Última mensagem Maio 26, 2011, 02:12:32 pm
por ICE 1A+
Artigos/Historia de Empresas/industrias Portuguesas

Iniciado por MalaguetaQuadro Portugal

Respostas: 20
Visualizações: 5788
Última mensagem Janeiro 20, 2015, 04:23:38 pm
por Malagueta
Brasil vai incentivar indústrias de defesa

Iniciado por J.RicardoQuadro Indústrias de Defesa

Respostas: 2
Visualizações: 2334
Última mensagem Outubro 07, 2005, 12:23:59 pm
por J.Ricardo
Notícias (Indústrias de Defesa)

Iniciado por Get_ItQuadro Indústrias de Defesa

Respostas: 103
Visualizações: 22572
Última mensagem Fevereiro 20, 2018, 12:36:40 pm
por Lusitano89
Nova directora-geral dos Serviços de Informação e Segurança

Iniciado por Tiger22Quadro Serviços de Informações e Inteligência

Respostas: 21
Visualizações: 10774
Última mensagem Agosto 01, 2007, 08:13:23 pm
por SSK