Mensagens recentes

Páginas: [1] 2 3 4 5 6 ... 10
1
Exército Português no ForumDefesa.com / Re: Novo blindado 4x4
« Última mensagem por Lightning em Hoje às 08:39:00 pm »
Parece que já é oficial.

Portugal compra à Espanha 139 viaturas blindadas de quatro rodas
https://www.dn.pt/poder/interior/portugal-compra-a-espanha-139-viaturas-blindadas-de-quatro-rodas-9723039.html
3
Exércitos/Sistemas de Armas / Re: Exército Brasileiro
« Última mensagem por Vitor Santos em Hoje às 07:47:46 pm »
Operação Atlântico V – Guaranis são transportados por trens da Rumo pela Serra do Mar

Exército treina o modal logístico ferroviário para transporte de viaturas Guarani da 15ª Brigada de Infantaria Mecanizada (15ª Bda Inf Mec) – Brigada Guarani, entre Cascavel e Paranaguá.


Citar
Nos dias 8 e 9 de agosto, a 15ª Brigada de Infantaria Mecanizada, Brigada Guarani, realizou o embarque de 31 Viaturas Blindadas de Transporte de Pessoal Guarani, em duas composições ferroviárias.

Anteriormente, em julho, a operadora RUMO e o membros da 15ª Bda Inf Mec testaram o embarque das viaturas blindadas Guarani em plataformas ferroviárias.

O embarque faz parte da Operação Atlântico V, que no período de 8 a 20 de agosto, fará o transporte de blindados do Paraná até Santa Catarina. A operação tem como objetivos realizar o adestramento e levantar dados de planejamento relativos ao transporte da Brigada por diversos modais.


Inicialmente, foi realizado o embarque e transporte por modal ferroviário de um Batalhão de Infantaria Mecanizado de Cascavel (PR), para Paranaguá (PR), passando pelos municípios paranaenses de Guarapuava, Ponta Grossa e Curitiba.


Após o desembarque, no dia 13 de agosto, o Batalhão seguirá por modal rodoviário, para o porto de São Francisco do Sul (SC), onde, nos dias 16 e 17 de agosto, embarcará em navio mercante.

O modal Ferroviário

A RUMO, maior operadora de ferrovias do país, transportou os 31 blindados do Exército Brasileiro na Operação Atlântico V. No domingo (12AGO2018), as duas composições de trens desceram pela Serra do Mar na última etapa do trajeto.

Organizado pela concessionária, o trabalho foi iniciado em Cascavel, na manhã de quarta-feira, e encerrado em Paranaguá no domingo, por volta das 19h30. Mais de 40 profissionais de áreas administrativas, de engenharia e operacional estiveram envolvidos na execução do plano logístico.

As plataformas, viabilizadas pela RUMO, preservaram a estrutura dos blindados durante o percurso. Foram carregados 15 e 16 veículos em cada composição, respectivamente. Para reforçar a segurança, um carro batedor verificou as condições da ferrovia na Serra antes da passagem dos trens. Além disso, militares ocuparam um vagão especial ao final de cada composição. Toda movimentação foi monitorada pelo Centro de Controle Operacional (CCO).

As viaturas blindadas Guarani, pertencem à 15ª Brigada de Infantaria Mecanizada (15ª Bda Inf Mec), de Cascavel, Paraná. De Paranaguá, o comboio segue por modal rodoviário até o porto de  São Francisco do Sul, no litoral de Santa Catarina, onde serão embarcados em navio mercante, para treinamentos e simulação de combate.

FONTE: http://www.defesanet.com.br/guarani/noticia/30195/Operacao-Atlantico-V-%E2%80%93-Guaranis-sao-transportados-por-trens-da-Rumo-pela-Serra-do-Mar/
4
Armadas/Sistemas de Armas / Re: Marinha de Auto-Defesa do Japão
« Última mensagem por Cabeça de Martelo em Hoje às 05:47:33 pm »















A construção se inicia em 2019 sera lançado 2 unidades por ano ao mar desta classe ate 2023, totalizando 8 unidades esta classe vai substituir a classe Abukuma.

Em 2013 foi determinado que o numero de escoltas seria ampliada de 47 para 54 unidades, porem o orçamento somente permitia a construção de 1 unidade por ano, como 3 classes se aproximam do fim da vida, foi feito vários estudos para se encontrar um projeto que pudesse ser construído 2 unidades por ano.

Existe boatos de que se pretende adquirir mais 14 unidades desta classe ou derivados para substituir também a classe Hatsuyuki e Asagiri.

Deslocamento vazio 3.900t carregado 5.500t
Comprimento 130m
Largura 16m
Propulsão CODAG
 Rolls-Royce MT30 x1
MAN 12V28/33D STC x2
Velocidade Máxima acima de 30Kt
Tripulação 100

Armamentos
MK45 mod4 x1
Mk 41 vls 16
Sea Ram x1
Type 17 SSM  x2
Lançadores de torpedos x2
Sh60 K x1

Citar
US$500 milhões a unidade, na maquete pode se notar que o vls tem espaço para ser ampliado para 32 e existe o local para se instalar outro Sea Ram porem foi determinado uma configuração mais modesta para cortar custos.


5
Forças Aéreas/Sistemas de Armas / Re: F-35 JSF
« Última mensagem por Cabeça de Martelo em Hoje às 04:41:12 pm »
Operational F-35A fires cannon for first time
By George Allison - August 16, 2018



Pilots from the United States Air Force 388th Fighter Wing’s 4th Fighter Squadron were the first operational unit to fire the F-35As 25mm cannon in a strafing run during training.

According to the US Air Force, the two-ship formation fired on two sets of ground targets on the Utah Test and Training range Aug. 13. Loading and firing the cannon was one of the few capabilities Airmen in the 388th and 419th FWs had yet to demonstrate.

Lockheed Martin say that F-35As internal cannon allows the aircraft to maintain stealth against air adversaries as well as fire more accurately on ground targets, giving pilots more tactical flexibility.

For the F-35A, 180 rounds can be housed in the gun’s linkless ammunition handling system. For the F-35B and F-35C, they both rely on an external gun pod carrying the GAU-22. The GAU-22/A uses a 25mm shell, which is significantly more powerful than what the F-16 the F-15E, F-15C use — all of those aircraft use a 20mm shell.

On June the 9th 2015, a test F-35A shot its first salvos from its four-barrel GAU-22/A Gatling gun.

 :arrow: https://ukdefencejournal.org.uk/operational-f-35a-fires-cannon-for-first-time/
7
Armadas/Sistemas de Armas / Re: Royal Navy
« Última mensagem por tenente em Hoje às 03:55:28 pm »
UK restarts Type 31 frigate program competition

After halting a competition for the construction of five Type 31 frigate late July, the UK defense ministry has now relaunched the process.



The program was halted on July 24 due to what the defense ministry identified as inadequate competition prior to awarding competitive design phase (CDP) contracts.

On August 14, the UK MOD issued a notice saying the competition was once again open. The announcement stated that the five frigates for the Royal Navy are to be built “for a total cost not to exceed £1.25 billion inclusive of Government Furnished Equipment (GFE).”

The amount of government furnished equipment that would be made available to the successful bidder was not specified. It is known that some of the equipment from Type 23 frigates is expected to be transferred to Type 26 and 31 ships.

The new competition process will consist of a pre-qualification questionnaire, competitive design phase contracts, and finally, a single design and build contract.

Interested bidders will be able to submit their expressions to participate by August 20.

Bidders whose participation was confirmed for the previously-canceled process were a team composed of Cammell Laird and BAE Systems with a design proposal known as Leander, and a Babcock-led team with the Arrowhead 140 design which was based on the Iver Huitfeldt-class frigates. A third unconfirmed team reportedly taking part in the competition were Atlas Elektronik UK and Thyssenkrup Marine Systems.


https://navaltoday.com/2018/08/16/uk-restarts-type-31-frigate-program-competition/

Abraços
8
Conflitos do Presente / Re: Afeganistão: diversos
« Última mensagem por Lusitano89 em Hoje às 02:45:59 pm »
Sucessivos ataques suícidas em Cabul


9
Países Lusófonos / Re: Economia de Timor-Leste
« Última mensagem por Lusitano89 em Hoje às 02:35:49 pm »
Presidente de Timor defende aposta no mar como "desígnio estratégico nacional"

Timor-Leste deve apostar no mar e na sua exploração enquanto "importante recurso económico do país", desenvolvendo uma política que assuma esse "desígnio estratégico nacional", defendeu hoje o Presidente timorense, Francisco Guterres Lu-Olo.

“É tempo de apostar no Mar e na sua exploração, enquanto importante recurso económico do país, como um desígnio estratégico para Timor-Leste para que possa dar frutos nas próximas décadas”, disse hoje Francisco Guterres Lu-Olo, na abertura da 1.ª Conferência Internacional sobre os Assuntos do Mar que decorre hoje e sexta-feira na capital timorense.

Para o chefe de Estado é essencial uma “estratégia nacional para o Mar com visão integradora, que transforme o potencial que o Mar timorense tem numa realidade para o aproveitamento de recursos e para a valorização do ponto de vista económico, social e ambiental” que beneficie o país.

“É também necessário desenvolver uma política global e integradora, suportada por um enquadramento legislativo adequado – ordenamento do espaço marítimo – que organize a interligação de um conjunto de setores económicos e das empresas existentes, que seja capaz de atrair investidores e capital, especialmente investimento estrangeiro, e que proporcione o tempo necessário de capacitação para criar as condições de mercado e de desenvolvimento da economia”, frisou.

O chefe de Estado considerou que o mar e a questão da demarcação permanente das fronteiras marítimas e terrestres com os países vizinhos devem ser “colocados no centro do debate público, assumindo-se como um desígnio nacional na afirmação da identidade e da soberania nacional”.

Até aqui, disse, Timor-Leste tem vivido “de costas voltadas” para os oceanos, como demonstra o facto de nenhum dos oito Governos do país ter criado um Ministério ou uma Secretaria de Estado dedicada ao tema.

Os próprios Plano Estratégico de Desenvolvimento 2011-2030 e o Conceito Estratégico de Defesa e Segurança Nacional, transversais ao desenvolvimento nacional, “não dão a devida importância estratégica ao Mar e aos interesses que nele se preservam e disputam”.

Isso, explicou, permite cimentar a ideia de que Timor-Leste “é um pequeno país” quando, na verdade, a sua plataforma continental é “bastante grande” e o país deve ser visto “não como um país periférico, mas sim como um país de articulação transoceânica, que se situa numa das quatro rotas comerciais marítimas mais utilizadas na ligação entre os oceanos Índico e Pacífico, facto que acentua o seu potencial geoestratégico”.

Ainda que os recursos marítimos, especialmente o petróleo, tenham financiado a quase totalidade do Orçamento Geral do Estado, Lu-Olo considerou que outros aspetos do mar continuam por desenvolver adequadamente.

“O mar é um vetor estratégico para o desenvolvimento económico suportando várias e numerosas atividades como a exploração dos recursos naturais e minerais, o transporte marítimo, o turismo, a construção e reparação naval ou a náutica de recreio, entre muitas outras atividades tradicionais ou emergentes”, disse.

Lu-Olo recordou as “múltiplas oportunidades e desafios” do mar, destacando ainda os “riscos e ameaças que exigem uma conjugação de esforços, públicos e privados e, particularmente, de ações conjuntas ao nível da cooperação internacional”.

Desenvolvimento costeiro, pesca ilegal e não regulamentada, o turismo inadequado, as fontes de poluição terrestre e marítima e o aquecimento global são alguns dos principais desafios, disse.

Por isso, defendeu, Timor-Leste “deve criar um modelo de Autoridade Marítima inclusivo que garanta, logo à partida, a colaboração de todas as entidades e instituições civis ou militares, públicas ou privadas” que possam contribuir para “um ambiente de segurança marítima”.

Neste sentido, explicou ainda, o modelo de segurança marítima deve dar à marinha também a “capacidade de resposta na área do policiamento para imposição da lei e para participação em conflitos de baixa intensidade”, obrigando a investimentos em termos de capacitação institucional, mas também em equipamentos.

Promovida pelo Instituto de Defesa Nacional de Timor-Leste (IDN-TL) a conferência internacional pretende “promover a importância vital do mar para o país, afirmando o século XXI como o período no qual Timor-Leste se deve orientar para o mar”.

Durante dois dias especialistas nacionais e estrangeiros analisarão aspetos como o desenvolvimento de uma política nacional sobre o mar “enquanto elemento fundamental no âmbito do processo de (re)construção do Estado e de transformação da sociedade timorense”.

“Timor-Leste: O Século do Mar” é o tema central da conferência que analisa aspetos como os “contributos dos setores nacionais com potencialidade para reforçar a segurança e o desenvolvimento nacionais” e as “formas de potenciar os serviços e as indústrias das infraestruturas estratégicas nacionais”.


:arrow: https://24.sapo.pt/atualidade/artigos/presidente-de-timor-defende-aposta-no-mar-como-designio-estrategico-nacional
10
Exército Português no ForumDefesa.com / Re: Notícias do Exército Português
« Última mensagem por Crypter em Hoje às 02:34:35 pm »
Os famosos 20 milhões é que não podia faltar..
Páginas: [1] 2 3 4 5 6 ... 10