Guerra da Cisplatina - O único "revés" militar do Brasil

  • 1 Respostas
  • 959 Visualizações
*

Vitor Santos

  • Investigador
  • *****
  • 2985
  • Recebeu: 215 vez(es)
  • Enviou: 155 vez(es)
  • +47/-32
Guerra da Cisplatina - O único "revés" militar do Brasil
« em: Janeiro 31, 2017, 01:07:25 pm »
Guerra da Cisplatina



Citar
A Guerra da Cisplatina ocorreu entre os anos de 1825 a 1828 e envolveu o Império do Brasil e as Províncias Unidas do Rio Prata (Argentina). A batalha foi uma disputa pela posse da então Colônia do Sacramento – atual Uruguai. A área era considerada estratégica, pois era de grande domínio fluvial, com acesso aos rios Paraná e Paraguai e via de transporte da prata andina.
Antes do início da guerra, esta área já causava controvérsias devido à sua fundação e colonização. Pactos entre Espanha e Portugal consideravam que a Colônia do Sacramento fora fundada por Portugueses, mas, colonizada por Espanhóis. Portanto, foi considerada um território da Espanha.

Porém, em 1816, as Províncias Unidas do Rio Prata, como era chamada a região, foram invadidas pelo general português Carlos Frederico Lecor e voltaram a ser território da Coroa Portuguesa. Em 1821 a área foi incorporada ao Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves e ficou com o nome de Província Cisplatina. Na época, a anexação foi justificada com a premissa de que a Rainha Carlota Joaquina teria direitos sucessórios sobre a região.



Mas a recém-batizada Cisplatina tinha habitantes com idioma e cultura diferentes que se negavam a aceitar os costumes brasileiros. Neste contexto, a Argentina e alguns patriotas Uruguaios, liderados pelo revolucionário uruguaio Juan Antonio Lavalleja, começaram a fomentar o início da rebelião. Então, em 1825, a Guerra da Cisplatina eclodiu.

O início dos embates deu-se quando Lavalleja desembarcou na praia da Agraciada com suas fileiras e, ajudado por populares, dominou a região e declarou sua anexação à Argentina. Como resposta, o governo brasileiro informava que, caso Lavalleja não desocupasse a área, enviaria tropas dando início à guerra. D. Pedro I fez uma declaração formal de guerra à Argentina.

A vantagem do Brasil era populacional, tinha 4,5 milhões de pessoas contra 600.000 das Províncias Unidas do Rio Prata, mas o número da população não retratava a medida de força dos dois países, pois, na época, o Brasil passava por inúmeras revoltas internas.


J. B. Debret, Embarque das tropas para Montevidéu

A base principal do exército brasileiro era de portugueses, mas, depois da proclamação da república, estas tropas retornaram à Europa e foram substituídas por brasileiros recém-recrutados. Diante da dificuldade de conseguir soldados, mercenários foram recrutados na Alemanha e na Irlanda, porém, não ofereciam ajuda imediata.

Sobre os soldados das Províncias Unidas do Rio Prata, o historiador John Armitage fez a seguinte observação:

“armados unicamente com as bolas e os laços, e com a inseparável faca enfiada no cinto, todos [os gaúchos] são soldados por hábito; e animados pelo espírito de nacionalidade, estão sempre prontos a entrar em luta”.

Em 1827, as forças imperiais derrotaram as provincianas na Batalha de Monte Santiago. No ano seguinte, o uruguaio Fructuoso Rivera reconquistou a província oriental (Uruguai). Após esta vitória, devido ao impasse em terra, ao bloqueio naval do Brasil, aos altos custos com a guerra e a pressão inglesa para que fosse firmado um acordo, deu-se início um acordo de paz, mediado pela França e pela Inglaterra, que tinha interesses econômicos na região.

Enfim, no ano de 1828 termina a Guerra da Cisplatina, com as duas partes assinando um acordo que findava o conflito. A acordo firmava que a Província da Cisplatina não ficaria nem com a Argentina nem com o Brasil. Foi criado um país independente: a República Oriental do Uruguai.

Consequências

O desfecho da Guerra da Cisplatina foi desfavorável ao Brasil, pois o dinheiro gasto para sustentar o combate arruinou sua economia. Outro aspecto foi o desgaste da imagem política de D. Pedro I, aumentando a insatisfação do povo que, desde o início do conflito, culpava a Guerra da Cisplatina dizendo que ela representava o aumento de impostos.

Com a independência da região Cisplatina, os populares contrários a D. Pedro I utilizaram o argumento de que o Brasil arrombara seus cofres e sacrificara a população para lutar em uma causa perdida. Entretanto, esta não foi a principal causa da queda de D. Pedro I, mas, sim, apenas parte de um conjunto de fatores que causaram a abdicação. A maior causa, talvez, tenha sito o estilo centralizador do governo.


Fontes: COTRIM, Gilberto. História Global: Brasil e geral. São Paulo: Editora Saraiva, 2005.
 

*

Vitor Santos

  • Investigador
  • *****
  • 2985
  • Recebeu: 215 vez(es)
  • Enviou: 155 vez(es)
  • +47/-32
Re: Guerra da Cisplatina - O único "revés" militar do Brasil
« Responder #1 em: Janeiro 31, 2017, 01:13:01 pm »
 

 

Filme sobre porque estamos em Guerra e sobre o Islao

Iniciado por MiguelQuadro Conflitos do Presente

Respostas: 1
Visualizações: 1459
Última mensagem Janeiro 13, 2009, 01:50:44 pm
por RODIAS
Terramar lança livro sobre PIDE na guerra colonial

Iniciado por Fábio G.Quadro Livros-Revistas-Filmes-Documentários

Respostas: 16
Visualizações: 5015
Última mensagem Junho 08, 2004, 11:19:18 pm
por papatango
Jogos de guerra ajudam descobrir hormona que combate stress

Iniciado por Fábio G.Quadro Área Livre-Outras Temáticas de Defesa

Respostas: 0
Visualizações: 1095
Última mensagem Agosto 03, 2004, 07:42:10 pm
por Fábio G.
Ninfa 05: Portugal testa defesas na luta à guerra química

Iniciado por Fábio G.Quadro Armadas/Sistemas de Armas

Respostas: 3
Visualizações: 2046
Última mensagem Abril 15, 2005, 11:59:11 am
por Yosy
Público: NA «GUERRA DO KATUR» ENTRE TIROS E MUITA FUMARADA

Iniciado por PereiraMarquesQuadro Exército Português no ForumDefesa.com

Respostas: 1
Visualizações: 1630
Última mensagem Agosto 07, 2006, 09:59:21 pm
por Cabeça de Martelo